Página Inicial --> psicologia e comportamento --> Uma conversa sobre a Páscoa, a Passagem e o Deserto!

Uma conversa sobre a Páscoa, a Passagem e o Deserto!

Essa história da caminhada é mesmo muito interessante. Tem sido assim, ao longo da história da humanidade.

Tem sido assim ao longo da minha e, por certo, da sua vida.

Vez em quando, temos que romper a caminhada. Dar o primeiro passo. Rumo ao desconhecido, à esperança cega, à fé, em direção aquilo que não se pode ver.

Como convencer alguém a deixar tudo para trás e iniciar uma caminhada para um lugar que não se sabe ao certo onde fica, onde ninguém sabe quando se vai chegar, nem com quem, nem de que maneira, não é mesmo?

Deus nos coloca no deserto. E fica olhando para ver como agimos, como reagimos. Como nos comportamos. Você não concorda?

O deserto tem um ar de tentação, de teste, de provocação. Por isso não é nada fácil passar por ele e pela provação.

A Bíblia deixa entender que o povo que atravessou aquele deserto, lá no Antigo Testamento, não foi o mesmo povo que iniciou a travessia. Teriam morrido todos no caminho…

Deserto, ir para o deserto, caminhar pelo deserto, enfrentar a solidão que só o deserto tem e que só os que o conhecem sabem como é, isso faz parte do nosso viver aqui e agora, não é mesmo?

Jesus foi para o deserto. Paulo foi para o deserto. Jó foi para o deserto. O povo foi para o deserto. Nós vamos para o deserto.

Por isso a Páscoa é sensacional. Independente do aspecto religioso, da fé professada por uns e outros, essa “passagem”, essa caminhada pelo deserto, físico ou virtual, ao certo nos transformará em criaturas novas, diferentes.

Jó era um servo bom e fiel. Mesmo assim foi para o deserto. Embora aceitasse, ele não entendia o que estava acontecendo. A coisa ficou tão feia que sua mulher lhe disse: “Abandona esse Deus e morre”.

Ninguém passou indiferente pelo deserto. Podemos chorar, até nos lamentar, sentir a dor profunda a marcar o nosso peito, ver as lágrimas rolarem pela nossa face, sentir o seu gosto amargo, mas a verdade é que depois disso, ou sucumbimos pelo caminho ou chegamos ao outro lado modificados, renovados, como novas criaturas. Nunca da mesma maneira.

Deus trabalha de maneiras estranhas. Um dia, eu, todo vaidoso, achei que tinha intimidade com Ele. Ele me ouvia. Ao menos era essa a impressão que eu tinha. Eu orava, conversava com Ele. E Ele tocava minhas feridas me sarava e recuperava a minha alma.

Hoje, quando vejo uma parte do deserto em que caminhei, e onde talvez ainda hoje caminhe, vejo que estou muito longe de Deus e, no fundo, no fundo, nem mereço chegar perto d`Ele muito menos trocar um dedinho de prosa.

Talvez essa minha reflexão, feita hoje com o coração dilacerado pelos embates da vida, seja a revelação de que eu esteja, finalmente, deixando o deserto. Então, reflito que, se houve algum benefício, bem pode ter sido o da caminhada porque a chegada, no estado em que eu me encontro, não me agrada em nada.

Seria esse o segredo oculto da Páscoa? Mostrar que o que conta mesmo é a maneira como se caminha pois, ao final, você estará tão cansado pela trajetória que não lhe sobrará forças para mais nada a não ser debruçar-se na janela do tempo, olhar o que se passou, e tentar, se é que isso é possível, conter as lágrimas que irão brotar nos olhos, vindas do fundo do coração.

E quando o deserto está dentro de nós, tudo fica mais complicado. Olhar para dentro de sí, procurar o Mestre Interior, enfrentar suas paixões, seus medos, suas loucuras, tudo isso dentro de você mesmo… No seu interior… Com o seu livre-arbítrio.

Meu amigo, minha amiga, eu desejo à você uma Feliz Páscoa. Que você faça uma boa travessia e lhe sobre forças para poder, ao menos, comemorar o final da peregrinação.

Paulo Roberto Machado – Páscoa de 2017 – São Paulo

Sobre Paulo Roberto Machado

Jornalista e Radialista Profissional, graduado em Comunicação Social e Pós Graduado em MKT pela PUC de Campinas, trabalhou, em Campinas e em São Paulo, durante anos na Rede Globo de Televisão - TV e Rádio, na Bandeirantes - Rádio e TV e na antiga TV Manchete como repórter, editor e apresentador e âncora de Telejornais e programas de Debate. Formado em Teologia pelo Seminário Teológico Batista Ágape.

Leia Também

Satélite Brasileiro de Telecomunicações entra em operação

O satélite brasileiro de telecomunicações SGDC – de uso militar e civil – colocado em …