Página Inicial --> Astronomia --> Nave Parker Solar Probe decola com sucesso e vai Tocar o Sol!

Nave Parker Solar Probe decola com sucesso e vai Tocar o Sol!

O Dia dos Pais não poderia me reservar um presente melhor. Na madrugada, a NASA iniciou mais um capítulo importantíssimo para a ventura do conhecimento humano. A Nave Parker Solar Probe – PSP – decolou com sucesso com um objetivo nunca antes alcançado pela humanidade:  o primeiro objeto construído por um humano a “tocar” o Sol.

O “tocar”, aqui e nos cuidadosos comunicados da Nasa, vai sempre entre aspas porque a engenhoca vai, tecnicamente, apenas se aproximar muito da corona solar. Trata-se da parte mais externa da atmosfera do Sol, que começa a 2,1 mil quilômetros da superfície da estrela do Sistema Solar – e não tem um limite preciso. A corona é aquela aura, composta de plasma e com temperatura que chega a 2 milhões de graus Celsius, que a gente consegue ver quando há um eclipse.

Veja o vídeo feito pela NASA da decolagem da nave:

“Estará mais perto do Sol do que qualquer outra missão anterior”, diz o astrofísico Adam Szabo, um dos cientistas que integram a missão, em conversa com a BBC News Brasil. De acordo com o cronograma da agência espacial americana, daqui a sete anos, a PSP estará no ponto mais próximo da estrela já alcançado por uma espaçonave terrestre: 6,3 milhões de quilômetros da superfície solar.

Se o número parece grande, é preciso pensar nas escalas astronômicas. A distância entre a Terra e o Sol, por exemplo, é de 150 milhões de quilômetros. Mercúrio, o planeta mais próximo do Sol, está a 58 milhões de quilômetros do astro. A atual recordista, a nave Helios 2, chegou, em 1976, a 43,5 milhões de quilômetros do Sol. 

Para que servirá a missão

A ousada missão espacial, uma das mais complexas de toda a história de seis décadas da Nasa, deve custar cerca de US$ 1,5 bilhão e, esperam os cientistas, ajudar a responder uma série de dúvidas astronômicas.

Com os dados obtidos pela PSP, os pesquisadores querem conseguir compreender melhor a origem do vento solar – em termos práticos, essa informação pode ajudar a proteger o funcionamento dos nossos satélites artificiais, tão afetados por tais fenômenos. Vento solar é o nome que se dá para o fluxo de partículas com carga elétrica, como prótons, elétrons e íons, que o Sol irradia pelo Sistema Solar.

O físico Eugene Parker, primeiro a falar sobre os Ventos Solares, que deu o nome para o projeto, foi um dos convidados para assistir à decolagem da nave.

“Esta será a primeira vez que vamos estudar, de perto, nossa estrela Sol. Entender como funciona a corona e o vento solar vai nos ajudar a proteger nossa civilização, cada vez mais dependente de tecnologia e satélites de comunicação”, contextualiza o físico e engenheiro brasileiro Ivair Gontijo, cientista da Nasa, à BBC News Brasil. “Variações no vento solar podem causar sérios danos a esses satélites.”

“Esperamos com essa missão entender como a corona acelera o vento solar. Quem sabe poderemos no futuro prever quando o vento solar coloca nossos satélites em risco”, completa Gontijo.

Conheça detalhes do projeto:

Nave leva um chip com milhares de nomes

A Nave Espacial Solar Parker Probe está levando um pequeno chip que contem a gravação de milhares de nomes de apaixonados pela astronomia. A NASA cadastrou esse pessoal no mundo todo e emitiu, para cada um, um Certificado. Assim, estamos todos a bordo, a caminho do Sol. O projeto já está sendo desenvolvido há oito anos, com um gasto total de US$ 1,5 bilhão.

 

Sobre Paulo Roberto Machado

Jornalista e Radialista Profissional, graduado em Comunicação Social e Pós Graduado em MKT pela PUC de Campinas, trabalhou, em Campinas e em São Paulo, durante anos na Rede Globo de Televisão - TV e Rádio, na Bandeirantes - Rádio e TV e na antiga TV Manchete como repórter, editor e apresentador e âncora de Telejornais e programas de Debate. Formado em Teologia pelo Seminário Teológico Batista Ágape.

Leia Também

Mensagem para refletir sobre a dura realidade que enfrentamos…

Há um antigo ditado, muito utilizado pelas Escolas Iniciáticas, que afirma: “Vivendo como vivemos, em …